quinta-feira, 12 de dezembro de 2013

Educação: apagão de mão de obra qualificada afeta inovação na indústria

Por Carla Jiménez

No país em que foram gerados mais de 14 milhões de empregos entre 2002 e 2012, a falta de mão de obra qualificada transformou-se num problema real, que já afeta a capacidade de inovação do setor privado. Esse foi um dos principais obstáculos apontados por 72,5% das 128.699 empresas que responderam à Pesquisa de Inovação (Pintec) do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) para inovar no mercado. A maior barreira, em todo caso, para mais de 80% das indústrias, são os custos altos no Brasil.

Seja como for, a pesquisa do IBGE reaviva o fantasma do “apagão de mão de obra”, que rondou o Brasil quando o país cresceu 7,5% em 2010. A retração econômica nos anos seguintes dissipou esse temor, mas a Pintec aponta que a baixa qualificação dos empregados afeta a área mais cara para o Brasil, que é avançar em inovação e, consequentemente, em competitividade.

“A formação de recursos humanos para inovação integra uma das agendas prioritárias da indústria brasileira”, afirma Rodrigo de Araújo Teixeira, gerente executivo de inovação da Confederação Nacional da Indústria (CNI).

Segundo ele, menos de 30% dos engenheiros no país atuam de fato em inovação. “Para equilibrar a oferta e demanda de engenharia, trabalhamos pela revisão do currículo nas universidades de Exatas”, completa.

Cerca de 103.000 pessoas no Brasil, em 2011, em Pesquisa e Desenvolvimento (P&D), a maioria na indústria, um aumento de quase 50% na comparação com a Pintec realizada entre 2006 e 2008.

O estudo do IBGE, divulgado hoje, levantou informações entre 2009 e 2011. A pesquisa revela que a aquisição de máquinas e equipamentos foi prioridade para quase dois terços das empresas inovadoras. Treinamento foi uma preocupação para quase 60% das companhias entrevistadas, e a compra de software, para 33,2%.

Na comparação com a Pintec anterior, o número de indústrias que implementaram produtos ou serviços novos teve uma queda de 38,1% para 35,6%. Ao todo, as empresas industriais destinaram 0,71% de sua receita líquida de vendas para pesquisa e desenvolvimento em 2011, acima dos 0,62% registrados em 2008.

Na divisão por setores, 44,1% das empresas de eletricidade e gás inovaram, seguidas pelo setor de serviços, com 36,8%. O investimento total em processos e produtos inovadores foi de 64,9 bilhões de reais em 2011, 2,56% da receita líquida de vendas das empresas.

Os investimentos em P&D na fábrica ainda estavam restritos a um universo de cerca de 7.500 empresas inovadoras em 2011. Os gastos para esse fim, no investimento geral com inovação, subiram entre 2008 e 2011: de 24,5% para 29,8%.


Fonte El País


Nenhum comentário:

Postar um comentário