quarta-feira, 20 de fevereiro de 2013

Educação: o problema universal da escola

Por Johan Konings*

Acabo de ler nos jornais uma pesquisa feita entre os professores do ensino fundamental e médio num dos países europeus classificado entre os que têm o melhor ensino do mundo. Pois bem, constata-se carência catastrófica de cultura geral e de conhecimentos prontos. Não conhecem seu conterrâneo que é presidente da União Europeia, não conhecem os candidatos para as eleições nacionais, nem os programas dos partidos. 

Não conhecem a história de seu país, nem suas lutas nacionais e sociais. Parecem semelhantes àquele presidente de um grande país norte-americano que chamou Buenos Aires de capital do Brasil... Pois é, não é só no Brasil... Mas que isso não seja um consolo para os brasileiros, e sim uma razão de tristeza redobrada! Pois essa mentalidade é importada também aqui.

A cultura geral desses agentes da Educação não ultrapassa o nível do balcão do bar ou do jornalismo mais chão, digamos, do noticiário das oito da noite na televisão.

Mais que este fenômeno, bastante conhecido, interessa-nos a causa disso.

Uma é a substituição da memória interna da pessoa pela memória externa: os meios de comunicação, a internet... Para o que não sabem, podem remeter à internet. Isso é até certo ponto inevitável, pois hoje tem-se acesso a tantas informações que seria impossível registrá-las na cabeça. Ainda assim, seria bom registrar pelo menos aquelas que são fundamentais e relevantes para operar com elas nas situações do dia a dia e nos desafios da vida como tal.

Outra razão que se aponta é o tipo de ensino que prevalece: ensino a partir da realidade. Está certo... mas a realidade de interesse dos alunos não é a realidade toda. É muito limitada. Se o professor não tiver muita criatividade e conhecimento geral, não conseguirá abrir o mundo de seus alunos, nem o seu. 

Tem-se um construtivismo superficial, alienado e alienante, não aquele que Piaget sonhou, e muito menos aquele que Paulo Freire elaborou para conscientizar o povo.

Há também o fato de que, apesar do propalado ensino a partir da observação, essa ‘observação’ já vem empacotada na forma de material didático pré-fabricado, o qual, à diferença dos antigos manuais escolares, dificilmente incute nos alunos uma visão abrangente e sistematizada do respectivo campo do saber. Muito menos, do conjunto do saber. O material didático já traz o espírito do consumo, até quando fala da ecologia. Reforçando o que se vendo no comércio.

E ainda: a depreciação da profissão do ensinante (pelo menos no ensino fundamental e até no médio). Depreciação salarial (lá menos que no Brasil), mas sobretudo depreciação social. Qual a moça que apresenta seu namorado como professor do Ensino Fundamental? Dirá, no mínimo, que está pretendo entrar no mestrado...

Com isso se relaciona a questão do ambiente social, tanto dos professores como dos alunos. Se, sobretudo na escola pública, os alunos vêm de ambientes carentes (na Europa, por exemplo, os imigrantes; aqui, a população das periferias desestruturadas), grande é a chance que os próprios professores participem da precariedade da situação em que trabalham.

Está na hora de fazer, novamente e de modo novo, aquilo que se fez no tempo da Renascença: criar uma tradição de saberes que permita às pessoas situar-se no seu mundo e, até, entrever um horizonte que deixe transparecer aquilo que o transcende.

Para tanto é preciso trabalhar nas duas extremidades da corrente: na formação dos formadores e na reforma da escola. Pois professores bem-formados precisam encontrar um ambiente de atuação em que sua formação possa render, produzir mais que a conhecida frustração. E, por outro lado, devem ter um formação e riqueza pessoa que seja capaz de transmitir algo superior.

*Konings nasceu na Bélgica em 1941, onde se tornou Doutor em Teologia pela Universidade Católica de Lovaina, ligado ao Colégio para a América Latina (Fidei Donum). Veio ao Brasil, como sacerdote diocesano, em 1972. Foi professor de exegese bíblica na Pontifícia Universidade Católica de Porto Alegre (1972-82) e na do Rio de Janeiro (1984). Em 1985, entrou na Companhia de Jesus (jesuítas) e, desde 1986, atua como professor de exegese bíblica na Faje - Faculdade Jesuíta de Filosofia e Teologia, em Belo Horizonte, onde recebeu o título de Professor Emérito em 2011. Participou da fundação da Escola Superior Dom Helder Câmara.



Nenhum comentário:

Postar um comentário