terça-feira, 23 de outubro de 2012

Exploração sexual nos esportes: Brasil e França debatem soluções em favor de crianças e adolescentes


A relação entre a exploração sexual infantojuvenil na Copa do Mundo de Futebol e nas Olimpíadas está sendo discutida nesta terça (23/10/2012), em Paris, no seminário A Exploração Sexual e os Grandes Eventos Esportivos.

Participam representantes de instituições do Terceiro Setor e dos governos brasileiro e francês. Dentre eles, a ministra brasileira de Direitos Humanos, Maria do Rosário; o presidente da ECPAT France, Xavier Emmanuelli; o presidente da Fundação Scelles, Yves Charpenel; o diretor do Escritório de Organização Internacional do Trabalho na França, Jean-François Trogrlic; e o presidente do Conselho Nacional do Sesi, Jair Meneguelli. O evento é promovido pelo Conselho do Sesi em parceria com a Fundação Scelles e a rede ECPAT (sigla do inglês End Child Prostitution And Trafficking– Fim da Prostituição e Tráfico de Crianças).

O objetivo é alertar as autoridades francesas e brasileiras, profissionais de turismo, sindicatos e organizações não governamentais, sobre os riscos do aumento da exploração sexual de crianças e adolescentes, em função do fluxo turístico que será gerado durante a Copa do Mundo de 2014 e as Olimpíadas de 2016, no Brasil. A ideia é construir estratégias comuns de prevenção.

Na pauta do evento a apresentação de diagnóstico sobre as causas da exploração sexual no Brasil e dos fatores que levam os estrangeiros a praticarem o chamado “turismo sexual” nos países em desenvolvimento. Haverá ainda a apresentação de relatório sobre as consequências econômicas do fenômeno para os países de origem e de destino.

As conclusões e os compromissos assumidos no seminário serão apresentados na manhã desta quarta (24/10), pela manhã, em encontro com a imprensa e convidados. Em segui será lançada campanha de conscientização contra o turismo sexual, que será veiculada na Europa, de 2013 até o término da Copa do Mundo de 2014, e replicada no Brasil pelo Sesi.

Estima-se que dois milhões de crianças se prostituam no mundo, segundo relatório da Fundação Scelles. De acordo com a pesquisa divulgada no início do ano, mais de 40 milhões de pessoas no mundo se prostituem atualmente e a grande maioria (75%) são mulheres com idades entre 13 e 25 anos. A entidade analisou o fenômeno em 24 países e revela quase a metade das vítimas de redes de tráfico humano são crianças e jovens com menos de 18 anos.

Para apoiar a luta contra o fenômeno no Brasil, o Conselho Nacional do SESI criou em 2008 o projeto ViraVida. Por meio do programa, jovens de 16 a 21 anos que sofreram abuso ou exploração sexual recebem capacitação profissional, atendimento psicossocial, educação básica e inserção no mercado de trabalho. O projeto é desenvolvido em parceria com o Sistema S em 16 estados e está em fase de implementação mais quatro.

A Rede ECPAT é uma coalizão internacional de organizações da sociedade civil que trabalham pelo fim da exploração sexual de crianças e adolescentes, compreendendo quatro dimensões: prostituição, pornografia, tráfico e turismo sexual. A rede existe desde 1990 e, atualmente, está presente em 85 países.

A Fundação Scelles, é uma entidade da sociedade civil criada em 1993, que também luta contra a prostituição, o tráfico de seres humanos, o turismo sexual e a pornografia infantil. A fundação promove debates, ações de conscientização e prevenção da exploração sexual.

Nenhum comentário:

Postar um comentário