quinta-feira, 17 de novembro de 2011

Prêmio à inclusão: Senai conquista reconhecimento por trabalho contra as desigualdades raciais e sociais

A capacitação de negros em comunidades quilombolas e índios em suas aldeias rendeu ao Senai o prêmio Camélia da Liberdade. O trabalho realizado por meio do Programa Senai de Ações Inclusivas (Psai) recebe a homenagem na sexta edição do prêmio, na categoria Instituições de Ensino. A iniciativa é do Centro de Articulação de Populações Marginalizadas (Ceap), do Rio de Janeiro, em reconhecimento às iniciativas que promovem ações de contribuição para a superação das desigualdades raciais e sociais.

Este ano, o tema de honra do prêmio foi As Mulheres Negras do Brasil. Nesta área, a indústria tem realizado um papel fundamental na vida dessas mulheres, não apenas proporcionando capacitação profissional e inclusão na indústria, como também, incentivando que estas ocupem novos cargos que, antes eram, prioritariamente, masculinos.

O Psai ajuda empresas industriais no cumprimento da Lei de Cotas – Foto Claudio Ferreira
O Psai ajuda empresas industriais no cumprimento da Lei de Cotas – Foto Claudio Ferreira


Participam do prêmio instituições de ensino, empresas, profissionais da imprensa, líderes religiosos e personalidades que promovem a integração do negro na sociedade. “Receber a Camélia da Liberdade é para o Senai e, especialmente, para a indústria, a certeza do reconhecimento nacional do trabalho em prol de uma educação mais igualitária e ao alcance de todos os cidadãos, independente do nível socioeconômico, etnia, gênero ou idade”, destaca gestora nacional do Psai, Loni Manica.

O Psai nasceu em 1999, mas os dados começaram a ser sistematizados a partir de 2004. Até hoje cerca de 63 mil pessoas com necessidades educacionais especiais foram beneficiadas em cursos do Senai, entre deficientes físicos, auditivos, visuais, mentais/intelectuais e múltiplos, entre outras.

A área mais atendida depende de cada deficiência, mas informática tem sido a mais procurada por deficientes visuais e a de panificação por deficientes mentais. As outras são: gestão, metalmecânica, segurança no trabalho, construção civil, têxtil e vestuário, eletroeletrônica e alimentos e bebidas. As pessoas com necessidades educacionais especiais podem escolher qualquer curso oferecido pelo Senai, desde que tenha pré-requisito exigido pela ocupação.

Nenhum comentário:

Postar um comentário