quinta-feira, 27 de outubro de 2011

Excelência em educação: Senai-SP exportará modelo de capacitação profissional para a Nigéria

O Senai de São Paulo acaba de fechar acordo de cooperação educacional com a Nigéria. A assinatura ocorreu durante reunião da Diretoria Regional do Senai-SP com representantes do governo e empresários nigerianos. A partir de 2012, a organização paulista vai exportar seu modelo de ensino profissional e capacitação tecnológica em mais de dez segmentos industriais para aquele país, o mais populoso da África.

Em fevereiro de 2012, gestores nigerianos do ITF (Industrial Training Fund) desembarcarão em São Paulo para receber treinamento com foco em gestão de centro de formação profissional em diversas áreas industriais, como automação, construção civil, eletrônica, têxtil, cerâmica e costura industrial. Há ainda previsão de consultoria do Senai-SP para a instalação de quatro escolas, atualização de três unidades de formação profissional em Jos, Kano e Lagos e a aquisição de escolas móveis.

"A ideia principal é ajudar países que estão em processo de crescimento e desenvolvimento como o Brasil", ressaltou o diretor regional do Senai-SP, Walter Vicioni, que defende a divisão das experiências bem-sucedidas para a multiplicação de bons resultados na formação profissional. Para ele, a cooperação técnica exporta não só equipamentos, mas, também pessoas que criam espaços e oportunidades. "Essas trocas marcam a presença brasileira no cenário internacional", acrescentou.

O diretor-geral do ITF, Longmas Sambo Wapmuk, destacou que o desenvolvimento da educação profissional na Nigéria é um sonho e elogiou o engajamento das empresas com os alunos do Senai após a conclusão dos cursos. 

Durante a última semana, uma comitiva de empresários e membros do governo da Nigéria visitou algumas unidades do Senai-SP do interior e da capital, além de empresas como Indústrias Romi, Kraft Foods e Voith Brasil para conferir in loco as experiências da organização que qualifica profissionais para as indústrias.

"Como estratégia comercial, países desenvolvidos usaram a cooperação no campo da formação profissional como forma de posicionar o seu país em outros territórios", observou Vicioni. A Nigéria é o maior produtor de petróleo do continente africano e também detentor de um dos déficits educacionais mais expressivos do mundo – cerca de 50% das crianças estão fora da escola, de acordo com dados da Unesco.  

Reportagem de Danusa Etcheverria/Agência Indusnet Fiesp

Nenhum comentário:

Postar um comentário