sexta-feira, 2 de setembro de 2011

Resgate da cidadania: Distrito Federal tira mais 43 jovens da exploração sexual


Os 43 alunos da segunda turma do Projeto do Projeto ViraVida estão tendo novas oportunidades para recomeçarem suas vidas. São jovens com idade entre 16 e 21 anos beneficiados pela iniciativa do Conselho Nacional do Sesi e parceiros, como o Senai e o Senac. Vítimas de abuso e exploração sexual, eles estão sendo preparados, durante um ano, para o mercado de trabalho nos cursos de Auxiliar Administrativo e Capacitação Introdutória Profissional para a Indústria. Os cursos tiveram início há dois meses, no período da tarde.

Durante a manhã, eles têm reforço e aceleração escolar, da 1ª a 8ª série do ensino fundamental, no Sesi de Ceilândia. Todas as semanas eles também praticam atividades físicas e recebem atendimento médico e odontológico no Sesc. No DF, a primeira turma do projeto foi concluída no ano passado, formando 24 alunos.

“Estamos dando um grande passo. Significa uma grande mudança para todos nós e nosso objetivo é crescer como pessoas. O ViraVida para mim é o caminho para a vitória”, destaca Jaqueline dos Santos, 16 anos, que faz o curso de auxiliar administrativo. “A vida nos prega muitas peças, e precisamos ter força para superar as adversidades. Contudo, podemos ter força, mudar e acertar novamente.

Acreditem em vocês e façam seu melhor”, assegura Rúbia de Oliveira, jovem aluna do projeto. “Vocês são meu orgulho, porque escolheram fazer algo pelo bem da vida de vocês. Essa escolha vai acompanhá-los pela vida inteira. Não esqueçam que vocês são maiores do que seus problemas, e que essa jornada não será nada fácil”, destacou o superintendente do Sesi-DF, Adonias dos Reis Santiago, durante pronunciamento para os jovens aprendizes.

“Nós trabalhamos com eles também com o projeto Conviver, pelo qual eles recebem noções de cidadania, ética e valores morais. Como eles vêm de situações conflituosas, oferecemos uma vivência de resgate da autoestima. Estamos desenvolvendo esse trabalho com eles desde junho e já é bem claro alguns resultados positivos”, explica a coordenadora do projeto no DF, Cida Lima.
Bons exemplos são provas de que o projeto gera frutos. Tâmara Paulina da Silva, 19 anos, foi aluna da primeira turma do ViraVida. “Eu era uma jovem perdida na vida. Não tinha perspectiva nenhuma de melhorar. Quando comecei neste projeto, só via um monte de gente estranha, diferente de mim. 

Mas resolvi que precisava dar um basta no meu passado, e o que valia era seguir minha vida e fazer meu melhor. Quero dizer a vocês que olhem para frente. Esqueçam o que passou e sejam felizes, da forma como conseguirem. Trabalhem, estudem e corram atrás. A sorte está lançada, basta ser aproveitada”, destacou a hoje estudante de psicologia da Universidade Católica de Brasília. “Eu venci, realizei meu sonho e qualquer um de vocês pode fazer o mesmo”.

Para o idealizador do projeto, Jair Meneguelli, o ViraVida é um novo mundo que se abre para os jovens em risco social. "Não será uma jornada fácil, o que não pode é haver desistência. Nenhum de vocês deve fraquejar, e se acontecer, se ajudem, acreditem no potencial que possuem. Vocês têm talento e capacidade de sobra para vencerem e conquistarem seus sonhos”, destacou Meneguelli aos alunos. “Não parem de pensar no futuro."

Nenhum comentário:

Postar um comentário