quarta-feira, 14 de setembro de 2011

Inclusão de deficientes: Projeto da ArcelorMittal conquista prêmio de educação

Atualizado em 30/9/2011


Iniciativa da ArcelorMittal, de São Francisco do Sul, em Santa Catarina,  e implementada em parceria com o Senai de Joinville, o projeto de Desenvolvimento Profissional para Pessoas com Deficiência venceu a categoria Empresa-Escola do Prêmio Educador Elpídio Barbosa, concedido pelo Conselho Estadual de Educação. O anúncio ocorreu nesta terça (13/9), em Florianópolis, e a premiação será realizada em outubro. O projeto promove a formação profissional e amplia a possibilidade de inserção no mercado de trabalho do público-alvo.

"Nossa proposta é oferecer condições para que as pessoas busquem as melhores oportunidades de emprego", salienta o gerente-geral da empresa, Álvaro José Ferreira Ribeiro. "A intenção não é apenas formar profissionais para a empresa. Se não pudermos absorver todos, eles terão chances de ser contratados por outras empresas", explica. "O nosso ganho é ter certeza de que estamos ajudando a transformar o amanhã, com essas pessoas se tornando realmente cidadãs incluídas na sociedade produtiva".

Depois de terem sido iniciadas duas turmas com o apoio da ArcelorMittal, o Senai apresentou o projeto a outras organizações e obteve o apoio de mais seis empresas de Joinville - Amanco, Krona, Schulz, Tigre, Tupy e Wetzel. O programa conta também com o envolvimento da Associação de Deficientes Físicos de Joinville, do Conselho Municipal de Pessoas com Deficiências, das Associações de Reabilitação da Criança Deficiente e dos Surdos de Joinville e da Secretaria de Educação de São Francisco do Sul, entre outras. As primeiras turmas envolvem 57 alunos, moradores de Joinville e São Francisco do Sul, e atendem a área eletrometalmecânica. A terceira turma, com 35 vagas, já conta com 22 alunos, que começaram os estudos em outubro, na área de plástico.

As dificuldades de locomoção que enfrenta desde o nascimento não impedem que Taiana Silva Vitorino, 18 anos, busque alternativas para sua formação profissional. Pela manhã estuda em casa, à tarde no Senai e à noite faz faculdade de terapia ocupacional. "Antes de começar a fazer o curso, eu tinha outros planos; hoje, embora eu esteja fazendo a faculdade, estou pensando em me dedicar à área eletrometalmecânica.” Usando a Língua Brasileira de Sinais (Libras), o estudante Darlei Goulart Nunes, que é surdo, está gostando do curso. "Meu pai me recomendou que fizesse o curso, que me esforçasse, mostrasse meu desenvolvimento.”


2 comentários:

  1. usando surdo a palavra mudo e totalmente negativo e falta de respeito chamar surdo de mudo isso é preconceituoso!

    ERRADO: Usando a LINGUAGEM brasileira de sinais, o estudante Darlei Goulart Nunes, que é MUDO, está gostando do curso. "Meu pai me recomendou que fizesse o curso, que me esforçasse, mostrasse meu desenvolvimento.”
    O CORRETO É: Usando a LÍNGUA brasileira de sinais, o estudante Darlei Goulart Nunes, que é SURDO, está gostando do curso. "Meu pai me recomendou que fizesse o curso, que me esforçasse, mostrasse meu desenvolvimento.”

    ATT.

    ResponderExcluir
  2. Prezado Anônimo, o senhor tem razão em suas considerações. Obrigado pela participação.

    Abraço,
    Roberto Almeida

    ResponderExcluir