sexta-feira, 23 de setembro de 2011

Educação e tecnologia: Empresa mais competitiva é a meta de novo programa em Santa Catarina

A duplicação do número de matrículas em educação profissional até 2014 e dos serviços técnicos e tecnológicos (consultorias e metrologia) até 2016 são duas das metas do Programa Senai Mais Competitividade, que a organização lança nesta sexta (23/9), na reunião da diretoria do Sistema Fiesc, em Florianópolis. A iniciativa integra a linha de atuação da nova diretoria do Sistema, comandada pelo empresário Glauco José Côrte, para ampliar a capacidade competitiva da indústria catarinense.


Edilson Ferreira, Nádia de Oliveira, Breno Gomes e Cíntia Almondes – Foto Senai-PI
Metrologia será um dos focos do programa - Foto Senai-SC

O Senai Mais Competitividade prevê ainda a instalação de sete centros de referência e alta performance, o lançamento da Escola Profissional do Futuro, um portal na internet com informações relacionadas ao tema e promoção de workshops tecnológicos temáticos. Também será criada a Academia Senai, para ampliar e promover a capacitação contínua da equipe de consultores da organização.

Os centros de referência atuarão em duas frentes: consultorias e pesquisa aplicada para inovação em produto e processo. Os centros serão focados nas vocações industriais do estado e contarão com o apoio de organismos internacionais, como o Instituto Fraunhofer, a Universidade de Stuttgart, ambos da Alemanha, e a Massey University, da Nova Zelândia.

O Programa pretende atuar em diversas frentes relacionadas à performance produtiva da indústria. A ampliação da oferta de profissionais qualificados fará com que a força de trabalho seja mais resolutiva para gerar valor ao produto. Outras iniciativas estão associadas à melhoria de produto e processos, como o desenvolvimento de novos negócios. Na próxima semana (27 e 28/9), por exemplo, será realizado em Joinville o Workshop Internacional Novas Tecnologias Aplicadas ao Setor Metalmecânico (veja matéria a seguir).

Microusinagem e ferramentaria
Equipamentos cada vez menores e mais leves trazem vantagens competitivas para setores como eletroeletrônica ou medicina. A produção dessas peças exige uma sofisticação na produção de seus componentes, também minúsculos e que são fabricados a partir de micromoldes. É dessa forma que a microusinagem se transforma em um potencial campo de atuação para o setor de ferramentarias.

O tema será o assunto central do Workshop Internacional Novas Tecnologias para o Setor Metalmecânico, que o Senai de Santa Catarina promoverá na próxima (27 e 28/9), na sede da Associação Empresarial de Joinville. Os especialistas Benedikt Gellissen e Kristian Arntz, do Instituto Fraunhofer, da Alemanha, participarão do evento.

"Joinville tem atualmente cerca de 400 ferramentarias, que geram mais de 4 mil empregos", afirma o empresário Christian Dihlmann, diretor da Associação Empresarial de Joinville e empossado como o primeiro presidente da recentemente criada Associação Brasileira de Indústrias de Ferramentais.

"É uma área ostensiva em tecnologia, de alta sofisticação e elevado valor agregado", afirma o diretor regional do Senai-SC, Sérgio Roberto Arruda. As ferramentarias produzem moldes que darão a forma a produtos em processos de injeção de plástico ou fundição. A microusinagem – que constrói moldes de tamanhos na ordem de 2 ou 3 milímetros que serão usados na fabricação de peças de 1 milímetro – exige máquinas, ferramentas e ligas especiais, além de profissionais altamente qualificados. Uma ação conjunta entre profissionais do Senai e do ITA deverá induzir o surgimento de um novo segmento produtivo.

Outros workshops setoriais estão previstos para Blumenau e Chapecó, respectivamente nas áreas ambiental e têxtil e alimentos. Além de palestras, os eventos proporcionarão a apresentação de cases e networking com empresários e especialistas do setor.

Palestrantes do Workshop:
  • Benedikt Gellissen - pesquisador do departamento de tecnologia de processos do Instituto Fraunhofer de Tecnologia da Produção (IPT), da Alemanha, no departamento de corte de alta performance, com foco em tecnologias para ferramentarias e moldes. Falará sobre fabricação de moldes por microusinagem e sobre avanços em tecnologia de fresamento.
  • Kristian Arntz - chefe do departamento de processamento de materiais a laser do Instituto Fraunhofer de Tecnologia da Produção (IPT), da Alemanha. Desenvolveu os processos para uso eficiente da radiação a laser como ferramentas na cadeia de valor industrial. Tratará da aplicação do laser como ferramenta para fabricação de moldes.
  • Jefferson de Oliveira Gomes - professor e coordenador do Centro de Competência em Manufatura do ITA. Abordará a avaliação tecnológica e organizacional e proposta de melhorias nas empresas do setor metalmecânico. Também apresentará o tema Manufatura digital, simulação da produção em computador para identificar oportunidades de melhoria.
  • Rafael Bottós - presidente da Welle Tecnologia Laser. Vai falar da restreabilidade a laser para metais e polímeros.
  • José Mário Fernandes de Paiva Júnior - professor e coordenador de curso superior de tecnologia do Senai de Joinville. Tratará sobre aplicações tecnológicas de engenharia reversa e prototipagem.

Nenhum comentário:

Postar um comentário