segunda-feira, 15 de agosto de 2011

Posse em Santa Catarina: Côrte destaca gestão compartilhada e anuncia criação do fórum da indústria

Alcantaro Corrêa e Glauco Côrte –
Foto Fernando Willadino/Sistema Fiesc
O novo presidente do Sistema Fiesc, Glauco José Côrte, anunciou em sua posse, na noite de sexta (12/8), a criação do Fórum da Indústria Catarinense, órgão colegiado que terá a participação de empresários das principais cadeias produtivas.


O foco será apoiar a formulação de estratégias voltadas ao setor. A solenidade teve a participação de presidentes de dez federações de indústrias, do governador Raimundo Colombo, da ministra de Relações Institucionais, Ideli Salvatti, deputados federais e estaduais, além dos três senadores do estado.


Côrte, que assume o Sistema numa conjuntura em que a economia internacional passa por um momento crítico, afirmou que a principal bandeira do programa de gestão será a competitividade da indústria. "É claro que isso preocupa. Mas não nos atemoriza. Reforça a nossa determinação de tudo fazer e, ainda mais, para reverter o quadro desfavorável que se forma para as indústrias catarinenses, particularmente em relação à sua competitividade, representada pela capacidade de igualar ou superar os concorrentes." Nesse sentido destacou a importância do engajamento dos sindicatos de indústrias e dos vice-presidentes regionais e diretores, que representam a Fiesc em todo o estado.

Focado na competitividade, o presidente eleito assumiu o compromisso de orientar o trabalho das organizações do Sistema na melhoria da educação, duplicando o número de matrículas do ensino profissionalizante e, com apoio da indústria, até triplicando o número no programa de educação de jovens e adultos. Também destacou a implantação de centros de referência e centros de tecnologia de alta performance para atuar  nos principais segmentos industriais como indutor tecnológico.

Em seu discurso de despedida da presidência do Sistema Fiesc, onde ficou por seis anos, o empresário Alcantaro Corrêa afirmou que a desindustrialização é uma ameaça real, mas que com a força dos sindicatos de indústria o setor encontrará uma solução para que ela não avance ainda mais. "Se o desafio é gigantesco, devemos nos inspirar em vitórias importantes que ocorreram quando muitos não acreditavam nelas", disse ele, referindo-se ao fim da CPMF e ao não aumento do ICMS em Santa Catarina.

Nenhum comentário:

Postar um comentário