terça-feira, 2 de agosto de 2011

Do estadão.com.br: Na madrugada, morador de favela se profissionaliza

Senai oferece curso das 4 às 7 horas para moradores do Morro dos Macacos, no Rio; turma ganhou apelido de Galo da madrugada

Querer mesmo, Leandro Batista, de 20 anos, não queria. Mas a mãe, Leila, avisou sobre a inscrição, insistiu, empurrou e o filho está lá, todos os dias, de segunda a sexta.

Meio sonolento, mas bastante empenhado. Leandro é o caçula da turma de 12 moradores do Morro dos Macacos, em Vila Isabel, na zona norte do Rio, no curso de soldador (foto) do Senai, de 4 às 7 horas da manhã.

A excentricidade do horário fez com que a turma ganhasse até um nome especial, Galo da Madrugada, inspirado no bloco mais famoso do carnaval de Recife.

O Galo carioca não está atrás de diversão. Fazer parte do grupo exige sacrifício. Uma van pega os alunos às 3h30 num ponto no pé do Morro dos Macacos, a 2 quilômetros da escola. A essa hora, as ruas em torno do Maracanã, onde fica o Centro de Tecnologia, estão completamente desertas. Às 4 horas, os alunos já estão paramentados com máscara e avental, manipulando as soldas TIG, sigla para Tungsten Inert Gas. Quando o sol nasce, às 6h34, as aulas já estão praticamente no fim. A maioria dos alunos ainda emenda a jornada escolar com um emprego diurno.

A motivação para estudar durante quatro meses, quando o dia ainda nem raiou, é a garantia de mudar radicalmente de vida. O curso, que normalmente custa R$ 3 mil, sai de graça para os moradores do Macacos, favela que recebeu a Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) em novembro.

Soldador – Um acordo entre a Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro (Firjan) e a Secretaria de Segurança Pública oferece um leque de cursos profissionalizantes para os moradores. O de solda é um dos mais procurados. Primeiro, porque não exige ensino médio completo. Segundo, porque o mercado de trabalho para soldadores TIG 6G está em expansão. São eles que trabalham em refinarias, plataformas de petróleo, estaleiros. "O TIG 6G é um tipo de solda mais refinado. Exige muita habilidade e hoje está em alta no mercado", explica André Marques, chefe de educação profissionalizante do Senai.

Por ser uma habilidade mais difícil, paga-se melhor. Quando sai do curso, ainda engatinhando na profissão, o soldador TIG ganha em torno de R$ 1,5 mil. Com a prática, em menos de um ano, dobra o salário. Se for trabalhar numa plataforma da Petrobrás, sonho de nove entre dez alunos, o salário chega aos R$ 4 mil, além dos benefícios. Um salto para quem vive subempregado e não tem nem ensino médio. Leandro costuma ganhar R$ 200 por semana trabalhando como ajudante de pedreiro em obras no morro. No momento, está desempregado. Vive com a mãe e dois irmãos numa casa no Macacos, favela marcada por episódios violentos, como a derrubada do helicóptero da polícia em 2009 por traficantes.

Antes de a UPP chegar em novembro, Leandro sentiu a dor de viver no meio da violência. "Estava soltando pipa na laje. Teve um tiroteio e me acertaram no peito", conta. Passou um mês em coma e hoje, seis meses depois, mantém a traqueostomia. Quando fala, cobre com a mão o tubo de metal para evitar a saída do ar. Ainda não tem data para ser livrar da cânula, mas, coberta, não impede que ele estude. Exigência. Todos dão sua cota de sacrifício. Moisés Ribeiro, de 39 anos, é gari. Mário Alves, de 29, é vigia numa farmácia. Euza Cristina dos Santos, de 40, sai do curso direto para o trabalho de educadora comunitária numa escola do morro. Só chega em casa às 18 horas. Uma hora depois, está na cama.

A rotina estressante não tira o humor da mulata que faz parte da direção de harmonia da escola de samba Unidos de Vila Isabel. "Se eu conseguir um emprego como soldadora, vou ganhar o triplo do que eu ganho hoje. Divide R$ 2 mil aí por R$ 2,50. É cerveja pra caramba", brinca. Além da disposição dos alunos, o que mais chama atenção é que os jovens são minoria. Apenas três têm entre 20 e 25. A maioria da turma está entre 27 e 40 anos. Euza tem uma teoria. "Jovens são mais desconfiados. Quando eles virem que a gente está trabalhando e ganhando bem, vão vir. A próxima turma só vai ter garotada."
Reportagem de Márcia Vieira publicada no O Estado de S.Paulo em 31/7/2011 – Foto Fabio Motta/AE.

Nenhum comentário:

Postar um comentário