quarta-feira, 10 de agosto de 2011

Carta: No jornal Extra


“Aos oito anos, aprendi a montar computadores com o meu pai, que trabalhava numa ONG reciclando máquinas e doando-as para escolas públicas. Aos 11 anos, já os consertava sozinho. Quatro anos depois, a unidade do Senai de Mendes, município onde morava, abriu o curso de pré-impressão. Logo que o terminei, fui convidado a participar das Olimpíadas do Conhecimento, na modalidade Tecnologia da Informação (TI). Foi minha primeira experiência no setor, e fiquei em segundo lugar. Dois anos depois, voltei a participar da competição e venci. Com os conhecimentos adquiridos, em 2010, fui contratado como instrutor do Senai. Sai em novembro, quando entrei na minha atual empresa, em busca de experiência no mercado. Ano que vem, termino a faculdade de Gestão de TI e já ingresso no MBA. Mas foi o Senai que me deu projeção na carreira. Hoje, não basta ser graduado.”

João Carlos Chaves, 22 anos, analista de suporte sênior

Nenhum comentário:

Postar um comentário