segunda-feira, 13 de junho de 2011

Rio Design Indústria: Design é planejar e criar interface entre a sociedade e o ambiente, diz especialista

"Não basta desenhar produtos, temos que também desenhar processos. O futuro chega cada vez mais rápido. Design é planejar e criar a interface entre a sociedade e o ambiente." A questão foi abordada pela especialista em economia criativa Lala Deheinzelin (foto) em palestra realizada no 3º Rio Design Indústria. Para a especialista, não se pode prever o futuro, mas pode se criar. Portanto é importante fazer tudo com a ótica do futuro. O evento foi promovido na última sexta (10/6), pelo escritório Senai Moda e Design, na capital fluminense.

Lala Deheinzelin destacou que o Rio de Janeiro está muito mais avançado em se tratando de economia criativa na área institucional e com uma grande integração com o Sistema Firjan, mais inovador e aberto para esse tema. O encontro busca sensibilizar os empresários sobre a importância do design para a competitividade de produtos, marcas e serviços, além de aproximar empresários, designers e parceiros da inovação.

O presidente do Sistema Firjan, Eduardo Eugenio Gouvêa Vieira, destacou que essa iniciativa direcionada à economia criativa é uma tendência mundial que diz muito respeito à vocação do Rio de Janeiro, bem ao estilo do tão falado espírito carioca de ser. Desde a primeira edição do encontro, empresários de diversos setores – metalmecânico, moveleira e mobiliário, náutico, de acessórios de moda, plásticos, eletroeletrônicos e embalagens – trabalharam em conjunto com escritórios e profissionais de design para a elaboração de seus projetos de inovação. Gouvêa Vieira lembrou no encontro que o Sistema Firjan vai inaugurar em breve o Centro de Cultura da Indústria Criativa, no Palacete da Rua São Clemente, em Botafogo, na capital fluminense.

Paulo Nakamura, supervisor e desenhista industrial do Centro de Estilo Fiat, falou no encontro sobre a preparação dos profissionais em design de carros e os processos de criação da empresa. Situado em Minas Gerais, o Centro Estilo é o único departamento de design da Fiat fora da Europa. Nakamura explicou os conceitos e etapas da criação dos automóveis, desde o processo de design até a concepção final do produto. “Todo mundo acha que sabe. Que é só ficar desenhando carrinhos e mais nada. Um profissional, para se tornar designer de carros, precisa de uma preparação de três a cinco anos." Segundo ele, um dos conceitos do design é criar um produto que desperte desejo no consumidor. “O designer precisa ver coisas que outras pessoas não veem."

Alunos de universidades do Rio e de São Paulo levaram ao encontro dez produtos, como o Banco Vértil, inspirado nas vértebras de uma serpente por se tratar de várias peças que se encaixam. A peça não tem limite de tamanho e pode ser utilizada de várias maneiras em qualquer ambiente. O Fit Dog foi outro produto exposto. Desenvolvido para controlar a dieta dos animais e evitar a obesidade canina, o sistema de comedouro possui dosador eletrônico de alimento e pode ser adaptado a cães de diferentes portes.
Clique aqui para saber mais. – Foto Divulgação

Nenhum comentário:

Postar um comentário