terça-feira, 7 de junho de 2011

Biocombustível: Usina de Paranaguá produz combustível a partir de óleo de fritura usado

A frota de caminhões da Prefeitura de Paranaguá já está circulando com biocombustível produzido pela nova usina do Senai do Paraná recém-inaugurada. No país, esta é primeira unidade de biodiesel à base de óleo de fritura usado com aplicação prática na comunidade.

A capacidade de produção da usina-laboratório do Senai é de até 800 litros do combustível por dia. Outras deverão ser instaladas no estado. “Vamos aprender como reciclar óleo de fritura e evitar que milhares de litros de água sejam contaminados”, explica o presidente do Sistema Fiep/Senai-PR, Rodrigo da Rocha Loures. Segundo ele, além de contribuir com o meio ambiente, a iniciativa reduz os gastos públicos com utilização do combustível para abastecer a frota pública.

Primeira aula do curso, que atende mulheres de comunidades de Curitiba - Foto Rogério Theodorovy/Sistema Fiep
Rocha Loures discursa na inauguração da nova unidade - Foto Agência Fiep

Outros benéficos do empreendimento são a redução do descarte irregular do óleo de fritura no esgoto, que contamina milhares de litros de água, e a formação de profissionais. “Temos aqui um laboratório na escala 1:1, onde todos os jovens que fizerem os cursos no Senai poderão ter aulas práticas. Estamos qualificando o nosso jovem, dando a ele a condição de ter um trabalho melhorado quando estiver no mercado e, assim, tendo condições de subir na carreira”, assegura o prefeito José Baska Filho.

O diretor de operações do Senai-PR, Marco Secco, explica que a organização é pioneira em projetos ambientais. “Na década de 1980 nós criamos a primeira escola técnica de saneamento do Brasil. Essa escola se transformou, uma década depois, em um centro nacional de tecnologia, saneamento e meio ambiente e viabilizou parcerias com países como a Alemanha e o Canadá”.

As indústrias também têm interesse em produzir biodiesel para uso em seus processos produtivos. O Senai poderá apoiá-las com treinamentos, demonstrações, simulações de processos, testes com diversos óleos vegetais e avaliação de contaminação.

Nenhum comentário:

Postar um comentário