quarta-feira, 6 de abril de 2011

Falta de profissional qualificado afeta 69% das indústrias, revela CNI

Praticamente sete em cada dez empresas industriais brasileiras enfrentam problemas de falta de profissionais qualificados. A constatação é da Sondagem Especial divulgada nesta quarta (6/4), pelo Sistema Indústria, em seu escritório em São Paulo. As empresas que têm tais dificuldades afirmam que a escassez de pessoal qualificado prejudica a competitividade. 


Segundo a pesquisa Falta de Trabalhador Qualificado na Indústria, 78% das empresas que informam enfrentar o problema procuram capacitar o trabalhador dentro do próprio local de trabalho. Essa é a principal forma de lidar com a situação, revela o levantamento.

A pesquisa aponta que a tarefa dos empresários é difícil: 52% dos consultados disseram que a má qualidade da educação básica é uma das principais dificuldades que  têm para capacitar seus trabalhadores.


“O que chama a atenção é que as empresas estão sentindo as mesmas dificuldades que os cursos de capacitação tinham detectado, que é a pouca qualidade da educação básica”, disse o gerente-executivo da Unidade de Pesquisa da CNI, Renato da Fonseca, que divulgou a pesquisa. “As empresas hoje necessitam de trabalhadores versáteis, flexíveis, que precisam de educação e treinamento”, completou.


A Sondagem Especial foi realizada entre os dias 3 e 26 de janeiro, com 1.616 empresas. Foram consultadas 931 empresas de pequeno porte, 464 de médio porte e 221 grandes.


A pesquisa mostrou que 69% das indústrias passam pelo problema de qualificação do trabalhador. As que menos sofrem são as indústrias de grande porte: 63%. Tanto entre as pequenas quanto entre as médias, 70% informaram ter essa dificuldade.


O impacto maior da falta de profissionais capacitados é na produção. Quase a totalidade das empresas (94%) registra dificuldades para encontrar operadores. E 82% encontram problemas para contratar técnicos. As indústrias também informaram ter dificuldades para contratar funcionários qualificados em vendas/marketing (71%), para a área administrativa (66%), gerentes e profissionais de pesquisa e desenvolvimento (62%) e engenheiros (61%).


A busca de eficiência ou redução de desperdício, com consequente aumento da produtividade, é a atividade mais prejudicada nas empresas, de acordo com 70% dos pesquisados. A garantia e a melhoria da qualidade dos produtos foram a segunda atividade prejudicada mais apontada, com 63% de respostas. A expansão da produção foi citada por 40% dos empresários e o gerenciamento da produção teve 28% de assinalações.


O principal mecanismo utilizado para lidar com o problema da falta de trabalhador qualificado é a capacitação profissional feita dentro da própria empresa. A alternativa foi assinalada por 78% dos empresários consultados. O fortalecimento das políticas de retenção de talentos foi apontado por 40% dos pesquisados, seguido da capacitação fora da empresa (33%).


De acordo com os resultados da pesquisa, a má qualidade da educação básica prejudica a qualificação dos trabalhadores tanto dentro quanto fora da empresa. Essa resposta foi assinalada por 52% das empresas consultadas. Para 38% dos pesquisados, a maior dificuldade é que, ao investir na educação do funcionário, a empresa o perde para o mercado.


O terceiro problema mais apontado, com índice de 35%, foi o pouco interesse demonstrado pelos trabalhadores em se capacitar. Em seguida vem a falta de cursos adequados às necessidades das empresas, alternativa assinalada por 33% das empresas.


A falta de trabalhador qualificado é disseminada por toda a indústria, mas é crítica em alguns setores. Os que se dizem mais afetados são os segmentos de vestuário (84% das empresas), equipamentos de transporte (83%), limpeza e perfumaria (82%) e móveis (80%).


Nos segmentos farmacêutico, alimentos e bebidas, de indústrias diversas e calçados, no entanto, as dificuldades são maiores, conforme as empresas. Elas informaram não ter mecanismos para lidar com o problema. No farmacêutico e em indústrias diversas, 17% das empresas disseram não possuir qualquer forma de lidar internamente com a falta de pessoal qualificado, enquanto que em alimentos e bebidas o percentual foi de 20% e em calçados, 21%.

Nenhum comentário:

Postar um comentário