terça-feira, 12 de abril de 2011

Empresários da indústria propõem novo marco legal para inovação

O aprimoramento do marco legal da inovação foi o tema central da mais recente reunião da Mobilização Empresarial pela Inovação (MEI), realizada na sexta (8/4), no escritório da CNI de São Paulo, sob a coordenação do presidente do Sistema Indústria, Robson Braga de Andrade. Foram discutidas medidas para a atração ao Brasil de centro de pesquisa e desenvolvimento e ações de apoio à etapa pré-competitiva da inovação.


Luciano Coutinho - Foto Marcos Issa
Luciano Coutinho - Foto Marcos Issa
Participaram executivos de empresas e autoridades, como os presidentes do BNDES, Luciano Coutinho, da Finep, Glauco Arbix, e da ABDI, Maurício Borges. Em nome da MEI, Andrade entregou às autoridades estudo com dez propostas de aprimoramento do marco Legal da Inovação, na sua maior parte mudanças que seriam feitas na Lei de Incentivo à Inovação – Lei do Bem, de 2005.

Ele  destacou que a inovação é um dos 12 pilares da agenda da competitividade da indústria nacional. “Entregamos essas sugestões destacando o sentimento de urgência que deve reger a implementação dessa agenda."

O presidente do BNDES elogiou a profundidade e abrangência do estudo, que foi apresentado durante a reunião pelo presidente do Grupo Ultra, Pedro Wongtschowski. Coutinho observou que as propostas nele contidas são convergentes com a segunda fase da Política de Desenvolvimento Produtivo que o governo está elaborando atualmente e concordou com a manifestação do presidente da CNI. “No campo da competitividade estamos andando de velocípede, enquanto tem gente andando de Fórmula Um."

O secretário-executivo do Ministério de Ciência e Tecnologia, Luiz Elias, disse que a mudança do marco regulatório da inovação será uma grande contribuição para o governo. Glauco Arbix afirmou que o estudo “vai alterar o metabolismo do debate em torno da inovação entre empresários e governo”.

Os executivos discutiram na reunião a melhoria dos instrumentos de apoio à etapa pré-competitiva da inovação. Essa fase, considerada uma das mais caras e arriscadas do processo de inovação, corresponde ao período em que o produto novo sai do laboratório para ganhar escala de mercado. 

A MEI é uma iniciativa do Sistema Indústria para dobrar em quatro anos o número de empresas inovadoras no Brasil. Além de  mobilizar e capacitar empresários e gestores de todo o país, a MEI reúne dirigentes de grandes empresas e representantes do governo para discutir a melhoria das políticas públicas de incentivo à inovação.

Nenhum comentário:

Postar um comentário