quarta-feira, 30 de março de 2011

Design do mobiliário: Referências e desejos do consumidor são apresentados a empresário de Minas Gerais

A difusão da cultura do design para a indústria do setor é um dos objetivos do Caderno Desejos e Rupturas – Referências do Mobiliário, lançado na segunda (28/3), na sede do Sistema Fiemg, em Belo Horizonte. A publicação faz parte do projeto Senai+Design, cuja coordenação está a cargo do setor de inovação e tecnologia do Senai Nacional.


Trata-se da evolução de outra publicação que surgiram em 2002 para traçar as tendências do setor e servir de orientação para os designers de móveis. “A importância do design está em despertar o desejo. Tenho certeza de que as indústrias ficam mais competitivas quando se baseiam naquilo que os especialistas em design criam”, disse o presidente do Sistema Fiemg, Olavo Machado Jr.

A equipe que criou o Caderno fez uma investigação preliminar em 68 residências de dez estados. Os profissionais, de diversas especialidades, queriam fazer uma leitura das regionalidades do país, dos contrastes, e do jeito de morar do brasileiro. Como metodologia para a coleta de dados preliminares foi escolhida a pesquisa fotoetnográfica: fotografou-se o interior das casas, varandas, quintais, moradores e vizinhança.

“O Sindicato das Indústrias do Mobiliário e Artefatos de Madeira no Estado de Minas Gerais tem investido, ano a ano, para demonstrar a importância do design para o setor”, lembrou o presidente do Sindimov, Carlos Alberto Homem.

O coordenador do Núcleo de Design do Senai-MG, Marcelo Manhago, deu mais detalhes do trabalho que resultou no Caderno. Segundo ele, foram feitas mais de 5 mil fotos pelo país inteiro, e esses dados foram cruzados posteriormente. O desafio foi o de entender o que o brasileiro quer, o que deseja como mobiliário de sua residência. Que tipo de materiais, quais tipos de acabamento se quer? “O que se quer encontrar? O desejo. Mas para criar esse desejo é necessário criar rupturas para, então, achar o sonho do usuário."

A criação de móveis a partir de necessidades identificadas também foi abordada na participação de Manhago. Ele mostrou fotos de um cabideiro de madeira em formato de girafa usado para pendurar bolsas e roupas e de um porta-trecos para guardar objetos que ficam espalhados pelos móveis da sala. “Esses projetos nasceram da necessidade dos moradores que observamos nas casas. Por falta desses equipamentos, outros móveis acabam assumindo suas funções. Como deixar as contas empilhadas no home theater."

Participaram da apresentação designers nacionais e internacionais, como os do Politécnico de Torino e de Milão, ambos na Itália, empresários, fornecedores, professores de design e profissionais do setor moveleiro, entre outros.

Nenhum comentário:

Postar um comentário